domingo, 4 de setembro de 2016

ÍNDIOS DO BOLSA FAMÍLIA SÃO ENGANADOS POR LOJAS E LOTÉRICAS




O difícil deslocamento até a cidade para retirar o dinheiro do Bolsa Família e a desinformação sobre o funcionamento do programa têm deixado famílias indígenas vulneráveis a fraudes cometidas por comerciantes e por lotéricas encarregadas de distribuir os cartões.
No Xingu, índios relatam que lojistas das cidades do entorno retêm os cartões junto com a senha como garantia para compras a prestação.
Em 2014, a prática foi alvo de uma ação da Polícia Federal em Canarana (MT). Segundo o coordenador regional da Funai, Kumaré Txicão, foram apreendidos cerca de 200 cartões na época.
O problema é generalizado no país, aponta relatório deste ano do Ministério do Desenvolvimento Social, com base em pesquisas etnográficas feitas por antropólogos em sete terras indígenas.
Enquanto a maldade, a ambição, a falta de caridade e piedade imperar nos corações dos homens, veremos coisas como essa...maldades asquerosas, de dar profunda tristeza em ver que pessoas que têm a possibilidade de ajudar o seu próximo que sofre por dificuldades até de pegar o que lhe é de direito, por falta de transporte e portanto locomoção a pé a longas distâncias...essas pessoas que distribuem o bolsa família para os índios deveriam ter por humanidade providenciar a entrega a eles, sabendo de suas inúmeras dificuldades, mas não, ao contrário de fazer um ato de bondade, amor e caridade, pegam o sustento dos índios, pegam o alimento de quem precisa, pegam por maldade, porque eles têm o que comer em suas casas, são comerciantes, geram empregos, são pessoas com condições financeiras...quanta maldade existe no coração do homem que vê o seu próximo com menos recursos como um pedaço de carne a apodrecer de inanição, a se deteriorar no desânimo, no cansaço, nas suas limitações...quanta falta de amor meu Deus, quanta injustiça...espero que isso não fique impune e que nossos queridos irmãozinhos em suas tribos sejam tratados com mais dignidade e respeito...que Deus os protejam desses seres egoístas e ambiciosos que não sabem o valor de uma boa ação...

http://m.folha.uol.com.br/poder/2016/09/1810105-indios-do-bolsa-familia-sao-enganados-por-lojas-e-lotericas.shtml

Editoria de Arte/Folhapress
BOLSA FAMÍLIA E ÍNDIOSPrograma federal atende quase metade das famílias indígenas
"O controle sobre os cartões, a título de garantir o pagamento da dívida contraída, é tamanho que as pessoas acabam alienando-se do valor que recebem ou deveriam estar recebendo de acordo com as regras de cálculo do programa", afirma o estudo.
"Há nisso um forte indício de conluio entre comerciantes e especialmente os estabelecimentos lotéricos. No caso desses últimos, verificou-se que alguns funcionários aproveitam-se das dificuldades de entendimento e de manuseio dos indígenas do sistema de cartão magnético para dar-lhes somente parte do valor da bolsa, ou mesmo dizer-lhes que não há nada para receber, aparentemente apropriando-se desse recurso não repassado aos indígenas", diz o texto.
O relatório recomenda que o Bolsa Família passe por adaptações, como uma ação informativa para explicar o programa, criação de pontos de saque mais próximos das terras indígenas e o acionamento da PF para "desbaratar as redes de exploração e expropriação de indígenas".
O ministério afirma que o estudo é da gestão da ex-presidente Dilma Rousseff (PT) e que "o atual governo está tomando as devidas providências, inclusive junto ao Ministério Público Federal, buscando soluções eficazes".


segunda-feira, 21 de setembro de 2015

XENOFOBIA NO BRASIL TEM QUE FICAR NO PASSADO...VAMOS AJUDAR AGORA OS REFUGIADOS DA SÍRIA NO RIO DE JANEIRO, BAIRRO BOTAFOGO!



a Igreja São João Batista (R. Voluntários da Pátria, 287, Botafogo-RIO DE JANEIRO-RJ) está acolhendo em suas instalações de 15 a 20 refugiados da Síria (a maioria) e da Nigéria. Por isso, está pedindo doações de alimentos não perecíveis, material de higiene pessoal e afins. Roupas eles informaram que não precisam no momento. O padre que instituiu a iniciativa, Alex Coelho, está inclusive estudando árabe para auxiliar na comunicação com os refugiados.

É uma ótima oportunidade para quem quer ajudar na crise humanitária pela qual um enorme número de pessoas passa neste momento, mas não sabia exatamente como. Obviamente, não importa se você tem religião e, se tiver, se é ou não católico 
As doações devem ser entregues na secretaria da Igreja (entrando pelo estacionamento, à direita da Igreja, é a sala que fica em frente à rampa). Pelo que me informei, eles ficam abertos até as 18 horas (mas abrem cedo, às 9h).


_______________________________

VAMOS FAZER FICAR NO PASSADO ESSAS HISTÓRIAS DEPRIMENTES E DE UMA INFERIORIDADE MORAL INCOMENSURÁVEL!...QUE ESSE PRECONCEITO SEJA SUBSTITUIDO PELO AMOR AO PRÓXIMO COMO A SI MESMO!


Parece que não, mas ela existe e ja existiu no Brasil desde o final do século 19. Nessa época, ela era mais violenta em relação aos portugueses, mas atingia também outros imigrantes: espanhóis, italianos, sírios etc., que disputavam o mesmo mercado de trabalho com os brasileiros.
No início do século 20, chovem acusações contra estrangeiros ditos perturbadores da ordem da República. Foram tomadas medidas repressoras, como as sucessivas leis do senador Adolfo Gordo a partir de 1907, determinando a deportação de militantes anarquistas quando de origem imigrante.
Durante a ditadura militar instituída pelo golpe de 1º de abril de 64, os comunistas também foram caracterizados como propagadores de ideologias exóticas, "estrangeiras", contrárias à pátria.
Um dos maiores crimes contra estrangeiros no Brasil foi a criação, em 5 de maio de 1922, pelo presidente Arthur Bernardes, da Colônia Penal de Clevelândia do Norte (no Oiapoque) verdadeiro campo de concentração, onde foram presos principalmente imigrantes
O estrangeiro era visto como propagador de pensamentos sociais diferentes, considerados anômalos, dentre eles o anarquismo, o qual era tido como contrário à suposta natureza dócil dos brasileiros. O fato é que a pátria e o nacionalismo não são mais que mentiras que a classe dominante utiliza para isolar trabalhadores de nacionalidades diferentes. Os exploradores sabem que, somente iludindo e separando os explorados, poderão mantê-los sob seu domínio.
No Brasil atual, a xenofobia ocorre contra os argentinos, os americanos (pelo fato deles não gostarem da presença de brasileiros nos EUA), os chineses (devido a cultura), e também regionalmente, contra os nordestinos, praticada principalmente pelos povos do sudeste e do sul, acontece por causa do sotaque; pela pobreza em geral; falta de conhecimento; (devido a falta de educação) e também pela fome que há em vários estados do nordeste.